• SINDPECO - Sindicato dos Peritos Oficiais Criminais do Estado de Mato Grosso
  • (65) 3622-1399
  • sindpeco@gmail.com












Dia 4/12: Dia do Perito Criminal

O telefone do plantão toca, o coração dá um salto. Com os anos, você vai desenvolver uma memória auditiva. Toda vez que ouvir um toque parecido, mesmo que seja o telefone do personagem da novela, durante sua folga, a adrenalina vai ser a mesma. Ossos do ofício.
Mas hoje você está de serviço e nunca vão te ligar no telefone funcional pra dar boas notícias. O Perito Criminal é antes de tudo um cientista investigador de eventos que sempre serão a tragédia de alguém. Seja no laboratório analisando entorpecentes, armas, computadores, documentos, impressões digitais, DNA ou imagens de câmeras, ou na rua em acidentes de trânsito com vítimas fatais, homicídio, suicídio, incêndio, ou em alguma operação especial, sempre há uma grande carga emocional pros envolvidos.
E rumo ao fato você sai. Se equipa, pega as maletas, checa os materiais, frascos, tubos, trena, lanterna. Da base ao local do crime as vezes são horas de viagem, esquecer algo pode significar um crime não resolvido.
Ao chegar no local, você imediatamente se torna o centro das atenções. A carga emocional é grande. Familiares em desespero, curiosos e seus celulares com câmera, todos querem acompanhar seu trabalho, mas você tem um foco: detalhes. Minúcias que mostram aos nossos olhares treinados a dinâmica do crime. Em poucos minutos você estará tão focado que vai esquecer completamente que alguém está te olhando, que a cena é perturbadora. Começar a entender a dinâmica de um crime é um baita combustível, instiga e estimula a procurar mais e mais vestígios, fragmentos, pedacinhos que sejam, pra te ajudar a desenhar na cabeça o que ocorreu há alguns minutos atrás.
Examinar um ou mais corpos, procurar e classificar lesões, medir, calcular, procurar impressões digitais, câmeras, armas, câmeras, computadores. Tudo ajuda. Existe um Perito Criminal especialista em cada uma dessas áreas, com técnicas e conhecimento científico. Uma única mensagem recuperada de um celular ou a identificação de um suspeito em uma imagem, um documento falso, uma impressão digital identificada pelo Perito no local, podem ser a peça chave para a condenação ou inocência de alguém.
Em Mato Grosso somos hoje 273 profissionais, todos com a mais alta qualificação, oriundos das fileiras das maiores Universidades do país, com experiência nacional e internacional, dedicados às mais diversas áreas das Ciências Forenses, disponíveis 24 horas, 365 dias por ano, dedicados a dar respostas definitivas à Polícia, Justiça e sociedade. Parabéns, Peritos Criminais.

Autor: Antonio Magalhães
Data: 04/12/2018